ARQUIVO

BUSCA

Arlindo Massi - O Papai Noel Símbolo dos rio-pretenses

Publicado quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

2 comentários

Se teve em Rio Preto uma pessoa que defendeu com unhas e dentes, durante toda a vida, as causas do meio ambiente, do tênis de campo e das crianças, essa pessoa foi Arlindo Massi.

Conterrâneo de Maria Esther Bueno, o maior nome feminino do tênis brasileiro, Arlindo era pescador e competente professor de tênis (na época em que não se ouvia falar no esporte) e o difundia em nossa “boca do sertão”.

Foi o primeiro a levantar a bandeira em prol da preservação dos mananciais de toda nossa região, além do Paraná, Minas e Mato Grosso.

Foi dele a ideia da “Festa da Piracema” que, após sua morte, foi engavetada pelos políticos.

Nos “anos dourados”, onde a Rua Bernardino de Campos era o luxo em lojas comerciais (não existia shopping center), a “Casas Bueno” era referência para a criançada. Lá, durante muitos anos, Arlindo Massi foi o “Papai Noel” preferido dos pequenos.

No ano de 1996, fui convidado pelo empresário Eduardo Alcântara de Aquino, para coordenar o setor de fotografia de sua revista “Intervip”, lançada em Rio Preto. Também faziam parte do “staff” fotográfico, os competentes amigos Calixto e Heleno de Castro.

Em reunião de pauta para elaboração da revista de Dezembro de 1996, sugeri que colocássemos o Arlindo Massi sobre Rio Preto, vestido de “Papai Noel”, pois era considerado o “Papai Noel” símbolo da cidade. Ideia dada, ideia aprovada.

Fiquei responsável por fazer a foto.

Primeiramente, fui ao “Edifício Garagem Hércules” e, de sua cobertura, fiz uma foto de edifícios em primeiro plano com a represa ao fundo. A ideia era inverter a lógica dos “cartões postais”.

Posteriormente, com a supervisão do competente fotógrafo de estúdio Jorge Etecheber, fiz outra foto, no estúdio, tendo como modelo o Arlindo Massi vestido de “Papai Noel”.

Pessoa doce e de espírito infantil, não queria receber o cachê pago pela revista, pois quando assumia o personagem, não cobrava. 

A finalização do trabalho foi no “birô” (serviços gráficos).

Coisa rara na época, tive de acompanhar a fusão das imagens no “photoshop”. Lá constatamos um rombo enorme na sola do sapato do Arlindo. Rimos até. Achei melhor deixar sem retoques. Cheguei até a ligar para um dos editores da revista que achou melhor retocar.

Ao querido Arlindo Massi, que não está mais entre nós, nossas homenagens por tudo que fez pelo esporte, pelo meio ambiente e principalmente em abrilhantar o Natal de várias gerações.

Comentários - 2
Eunice Aparecida Massi - 09/01/2013
Muito obrigada pela materia e ter citado o meu querido papai noel, que saudades do meu pai que sempre foi um heroi.
wilson b menezes - 06/08/2014
Verdade, excelente pessoa